O Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, declarou em 28 de janeiro de 2015 que, para evitar racionamentos, as represas teriam de dobrar o seu volume. A partir daí, a Comerc elaborou um estudo sobre a quantidade de chuva que precisaria cair para que, até o fim de abril, o país alcançasse 35% da capacidade máxima dos seus reservatórios.

Até o momento, os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste estão com 17,6% da sua capacidade máxima; os do Nordeste, com 16,2%. Juntos, eles representam 80% de todos os reservatórios do Brasil.

Fonte: ONS

Fonte: ONS Atualizado em: 10/02/2015

Com os dados observados até 31 de janeiro, a Comerc simulou possíveis cenários de Energia Natural Afluente (ENA) para que não ocorra racionamento. Os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste devem chegar ao mínimo de 35% da sua capacidade.

Foi elaborada o seguinte cenário abaixo com a quantidade de chuvas em % da MLT para os reservatórios chegarem em 35%.

Fonte: Estudos Comerc

Fonte: Estudos Comerc

Segundo o estudo acima, a média do trimestre de Energia Natural Afluente para o Sudeste/Centro-Oestes e o Nordeste seria de 75% e 72% da MLT, respectivamente. Com estes valores, os níveis dos reservatórios alcançariam os 35% nos dois submercados, evitando um possível racionamento, segundo o Ministro. No entanto, as estimativas de ENA estão aquém destes números. Até 10 de fevereiro, observou-se apenas 46% da MLT no Sudeste/Centro-Oeste; e no Nordeste, 15% da MLT, de acordo com o ONS.

Fonte: ONS Atualizado em:10/02/2015

Fonte: ONS
Atualizado em:10/02/2015

Mais notícias sobre Energia Renovável