A figura 1 mostra o comparativo entre os valores da precipitação prevista, observada, normal climática para o período de 1981 a 2010 e a porcentagem do desvio em relação à climatologia para a semana operativa do ONS de 15 a 21 de agosto de 2015.

Para a semana operativa que passou, de 15 a 21 de agosto, os valores acumulados de precipitação observada (figura 1b) diferem espacialmente e quantitativamente do previsto (figura 1a) na região Sul do país. Pela atuação de uma alta pressão na costa leste das regiões Sudeste e Sul, a frente fria não conseguiu avançar sobre o continente e se manteve sobre o norte da Argentina e Uruguai. Na costa leste do Nordeste brasileiro, foram observados totais de chuva significativos entre a Bahia e Pernambuco. As demais regiões do país apresentaram características do período seco. Observou-se, ainda, que na maior parte do país as chuvas ficaram abaixo do esperado para a semana operativa, conforme mostram as figuras 1c e 1d.

Figura 1:

 Fonte: Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climático/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/Operador Nacional do Sistema (CPTEC/INPE/ONS) e Climate Prediction Center/National Centers for Environmental Prediction/National Oceanic and Atmospheric Administration (CPC/NCEP/NOAA).


Fonte: Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climático/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/Operador Nacional do Sistema (CPTEC/INPE/ONS) e Climate Prediction Center/National Centers for Environmental Prediction/National Oceanic and Atmospheric Administration (CPC/NCEP/NOAA).

A figura 2 mostra as previsões de precipitação feitas pelos modelos ETA (CPTEC/INPE/ONS), figura 2a, e COSMO (INMET), figura 2b, para a semana operativa do ONS de 22 a 28 de agosto de 2015. A figura 3 mostra a normal climática de 1981 a 2010 (OMM) para mesma semana operativa.

Para a semana operativa atual, de 22 a 28 de agosto, as previsões de precipitação dos modelos ETA (figura 2a) e COSMO (figura 2b) mostram acumulados significativos nas regiões Centro-Oeste, Sudeste, Sul e costa leste do Nordeste do país. Os dois modelos mostram um padrão espacial de distribuição da precipitação prevista semelhante. A diferença reside na quantificação da precipitação. O modelo ETA prevê mais chuvas distribuídas espacialmente; o modelo COSMO, por sua vez, prevê chuvas concentradas em alguns pontos. A figura 3 mostra o que é normalmente esperado para essa época: chuvas entre o sul da região Centro-Oeste e Sudeste e a região Sul do país.

Figura 2:

Fonte: Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climático/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/Operador Nacional do Sistema (CPTEC/INPE/ONS) e Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Fonte: Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climático/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/Operador Nacional do Sistema (CPTEC/INPE/ONS) e Instituto Nacional de Meteorologia (INMET).

Figura 3:

Fonte: Climate Prediction Center/National Centers for Environmental Prediction/National Oceanic and Atmospheric Administration (CPC/NCEP/NOAA).

Fonte: Climate Prediction Center/National Centers for Environmental Prediction/National Oceanic and Atmospheric Administration (CPC/NCEP/NOAA).

Legenda:

Figura 1: Mapas de precipitação para semana de 15 a 21 de agosto de 2015, em (a) precipitação acumulada prevista pelo modelo ETA (CPTEC/INPE/ONS), em (b) precipitação acumulada observada para semana, em (c) normal climática (1981 a 2010) para a semana e em (d) porcentagem do desvio em relação a normal climática (CPC/NOAA).

Figura 2: Precipitação acumulada prevista pelos modelos em (a) ETA 40 km (CPTEC/INPE/ONS) e (b) COSMO 7 km (INMET) para o período de 22 a 28 de agosto de 2015.

Figura 3: Normal climática de 1981 a 2010 (OMM) para a semana operativa do ONS de 22 a 28 de agosto de 2015.

Mais notícias sobre Energia Renovável