Economia de energia

A migração para o mercado livre traz inúmeras vantagens a consumidores que buscam reduzir seus gastos e garantir melhor qualidade de serviço

O Mercado Livre de Energia completa 23 anos no Brasil agora, em 2021. Foi em 1998, com a publicação da resolução 265 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), que foram estabelecidas as condições para o início do mercado livre no país.

O mercado livre surgiu, principalmente, para estimular a livre concorrência e reduzir os custos com energia elétrica. No entanto, essas são hoje apenas duas das vantagens para consumidores migrarem para esse mercado.

Veja abaixo as principais vantagens em poder negociar a própria energia:

1. Escolha do fornecedor

A primeira grande vantagem é algo que não se encontra no mercado cativo: a possibilidade de escolher o seu próprio provedor de energia. Aqui, cada empresa negocia livremente o tipo de energia, a quantidade, o preço, a duração do contrato, dentre outras condições diretamente com a empresa que quer contratar. Por conta disso, garante também maior controle da qualidade do serviço contratado.

2. Previsibilidade orçamentária

No mercado livre, é possível ter uma estimativa do que haverá de gasto com energia ao longo dos meses. Isso porque o fornecimento é feito por contrato, ou seja, a negociação de valores e o cálculo estimado de demanda/ gastos são realizados com antecedência e podem ser projetados até o fim do período, sem sofrer com a volatilidade de preços do mercado de curto prazo.

3. Redução de tarifas e encargos

A possibilidade de consultar diferentes empresas e avaliar a concorrência permite, de imediato, escolher o fornecedor que entrega a melhor qualidade e o preço mais adequado à realidade do consumidor. Além disso, a negociação de um contrato de longo prazo traz possibilidades não só de combinar o valor da energia de forma direta, mas de planejar demanda e gastos antecipadamente, aumentando exponencialmente as chances de garantir uma importante redução de custos já no curto prazo - o que contribui diretamente para o aumento da competitividade da empresa em seu mercado.

Junto a isso, no mercado livre é muito mais comum o consumo de energia a partir de fontes incentivadas, que são geradas a partir de fontes alternativas e renováveis, como solar, eólica, biomassa, PCHs, biogás e cogeração qualificada. Nessa categoria, é concedido aos consumidores um desconto na Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (TUSD), que pode ser de 50%, 80% e até 100%.

Saiba mais sobre como o ambiente livre de contratação pode ser vantajoso para grandes consumidores:

 

 

Apesar de ainda não estar disponível para todos os tipos de consumidores, o mercado livre está se tornando cada vez mais acessível no Brasil.

Para 2021, o mercado livre de energia elétrica deve continuar em expansão por conta das vantagens econômicas que oferece, pela contribuição para a redução de gases de efeito estufa (GEE) através do consumo de fontes renováveis, do avanço da regulação do mercado livre no Brasil, bem como pela futura abertura do mercado, que permitirá que consumidores de baixa tensão também tenham acesso a esse tipo de energia.

Saiba como funciona o processo de contratação de energia no mercado livre:

 

Fique ligado!

Dando continuidade a essa matéria, na próxima semana falaremos sobre o demonstrativo da conta de energia no mercado livre e traremos explicações para ajudar você a baratear o seu consumo.

Quer saber se a sua empresa pode migrar para o mercado livre de energia?

Empresas com demanda contratada igual ou superior a 500 kW, por unidade ou somatório de unidades com o mesmo CNPJ, já podem buscar contratos para negociar a própria energia a partir de fontes renováveis, como hidrelétricas de pequeno porte (PCH), termelétricas a biomassa, fontes eólicas, entre outras.

Já empresas com demanda contratada igual ou superior a 1.500 kW, podem adquirir energia de qualquer fonte de geração, incluindo as grandes hidrelétricas do país e as mais modernas usinas térmicas e eólicas.

Fale com a gente e entenda se sua empresa pode migrar para o mercado livre de energia.

 

Mais notícias sobre Energia Renovável